EXPOSIÇÃO DE QUADROS LEIDE VENÂNCIO

FOTOGRAFIA: Angelo Lima

Anúncios

CARTA PSICOGRAFADA DA CANTORA CLARA NUNES ATRAVÉS DE CHICO XAVIER

 
Mensagem psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier
“Querida Maria, eu pressentia que o encontro através de notícias seria primeiramente com você. Somente você teria suficiente disposição para viajar de Caetanópolis até aqui , no objetivo de atingir o nosso intercâmbio.
Descrever-lhe o que se passou comigo é impossível agora. Aquela anestesia suave que me fazia sorrir se transformou numa outra espécie de repouso que me fazia dormir.
Sonhava com vocês todos e me via de regresso à infância. Cantava. Era uma alegria que me situava num mundo fantástico. Melodias e cores, lembranças e vozes se mesclavam e eu me perdia naquele êxtase desconhecido. Não cuidava de mim. Lembrava-me dos que ficavam, mas ainda não sabia se a mudança seria definitiva.
Conte ao nosso querido Paulo a minha experiência. Tantos dias no descanso, ignorando o que vinha a ser tudo aquilo que se apresentava à imaginação por fantasia que desconhecia como deslindar.
Peço a você solicitar ao Paulo me perdoe se lhes transmito as presentes notícias com a fidelidade possível.
Acordei num barco engalanado de flores, seguida de outras embarcações nas quais muitos irmãos entoavam hinos que me eram estranhos, hinos em que o amor por Iemanjá era a tônica de todas as palavras. Os amigos que me seguiam falavam de libertação e vitória.
Muito pouco a pouco, me conscientizei e passei, da euforia ao pranto de saudade, porque a memória despertava para a vida na retaguarda e o nosso Paulo se fazia o centro de minhas recordações. Queria-o ali naquela abordagem maravilhosa, pois os barcos se abeiravam de certa praia encantadoramente enfeitada de verde nas plantas bravas que a guarneciam.
Quando o barco que me conduzia ancorou suavemente, uma entidade de grande porte se dirigiu à mim com paternal bondade e me convidou a pisar na terra firme. Ali estavam o meu pai Manoel e a nossa mãezinha Amélia. Os abraços que nos assinalavam as lágrimas de alegria pareciam sem fim. Era muita saudade acumulada no coração.
Ali, passei ao convívio de meus pais e os meus guardiões retornavam ao mar alto. Retomei a nossa vida natural e, em companhia de meu pai Manoel, pude rever você e os irmãos todos, comovendo-me ao abraçar a nossa Valdemira que me pareceu um anjo preso ao corpo.
Querida irmã, não disponho das palavras exatas que me correspondam às emoções. Peço a você reconfortar o nosso Paulo e dizer-lhe que não perdi o sonho de meu filhinho que nascesse na terra de nossa união e de nosso amor…
O futuro é luz de Deus. Quem sabe virá para nós uma vida renovada e diferente, na qual possamos realmente pertencer-nos para as minhas lindas realizações?
Você diga ao meu poeta e beletrista querido, que estou contente por vê-lo fortalecido e resistente, exceção feita aos copinhos que ele conhece e que estou vendo agora um tanto aumentados.
Desejo que ele saiba que o meu amor pelo esposo e noivo permanente, que ele continua sendo para mim, está brilhando em meu coração, em meu coração que continua cantando fora do outro coração que me prendia.
A cigarra, por vezes, canta com tanta persistência em louvor à Deus e à natureza que se perde nas cordas que lhe coordenam a cantiga, caindo ao chão desencantada.
O meu coração da vida física não suportou a extensão das melodias que me faziam viver e, uma simples renovação para tratamento justo, me fez repousar nas maravilhas diferentes a que fui conduzida.
Espero que o nosso Paulo consiga ouvir-me nestas letras.
Agradeço a ele as atitudes dignas com que me acompanhou até o fim do corpo, tanto quanto agradeço a você e às nossas irmãs e irmãos o respeito com que me honraram a memória, abstendo-se de reclamações indébitas junto aos médicos humanitários que se dispuseram a servir-nos.
Muitas saudades e lembranças a todos os nossos e pra você um beijo fraternal com muitas saudades de sua, Clara.”
1984

 

AO PÉ DA LETRA….

EUZANA para sempre nos nossos corações!

Durante cinco anos do curso de Psicologia tive o imenso prazer em ter como colega e amiga essa mulher, batalhadora, chamada Euzana Menezes.

Também durante cinco anos pude ver o quanto essa mulher-guerreira lutou fortemente para conseguir se formar apesar de todos os problemas que rondavam a sua vida.

Más nunca, nesses cinco anos eu poderia imaginar que essa mulher – mãe, passaria pela maior dor que um ser humano poderia passar. A dor de ver a sua filha ser morta por um assassino frio e inescrupuloso.

Naquele momento, senti que nada, nem cinco anos estudando sobre neuróticos, psicóticos e psicopatas, nada, poderia nos dar uma explicação que pudesse amenizar um pouquinho do enorme sentimento de tristeza e indignação que todos nós, recém psicólogos, estávamos sentindo.  Nenhuma teoria, seja existencialista, psicanalista, humanista…, poderia dar um simples conforto aos nossos corações.

Euzana, nenhum conhecimento científico, nenhuma teoria psicológica, nenhum suposto saber, não se comparam com o grande ensinamento que voce nos deixou nesses cinco anos. Aprendi com voce que a vida é uma batalha diária, construída a cada minuto e sentida intensamente!

Com minha maior indignação sobre o acontecido, e o meu maior carinho para com voce!

Do seu amigo,

Angelo Gustavo venancio de Lima—————————————————-

ORAÇÃO AO TEMPO

És um senhor tão bonito
Quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido
Tempo tempo tempo tempo
Compositor de destinos
Tambor de todos os ritmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo
Tempo tempo tempo tempo
Por seres tão inventivo
E pareceres contínuo
Tempo tempo tempo tempo
És um dos deuses mais lindos
Tempo tempo tempo tempo
Que sejas ainda mais vivo
No som do meu estribilho
Tempo tempo tempo tempo
Ouve bem o que eu te digo
Tempo tempo tempo tempo
Peço-te o prazer legítimo
E o movimento preciso
Tempo tempo tempo tempo
Quando o tempo for propício
Tempo tempo tempo tempo
De modo que o meu espírito
Ganhe um brilho definitivo
Tempo tempo tempo tempo
E eu espalhe benefícios
Tempo tempo tempo tempo
O que usaremos pra isso
Fica guardado em sigilo
Tempo tempo tempo tempo
Apenas contigo e comigo
Tempo tempo tempo tempo
E quando eu tiver saído
Para fora do teu círculo
Tempo tempo tempo tempo
Não serei nem terás sido
Tempo tempo tempo tempo
Ainda assim acredito
Ser possível reunirmo-nos
Tempo tempo tempo tempo
Num outro nível de vínculo
Tempo tempo tempo tempo
Portanto peço-te aquilo
E te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo
Tempo tempo tempo tempo

( CAETANO VELOSO)

CARTA AO FORMANDO por Angelo Gustavo Venâncio de lima

                        MONOGRAFIA: Qual o seu desejo, qual a sua questão?

    Quando resolvi escrever sobre a cantora Elis Regina Carvalho Costa, como tema e assunto da minha monografia, percebi que existe uma grande diferença entre, escrever sobre algo e escrever algo. Os que escrevem sobre algum tema qualquer, redijem, muitas das vezes, textos interessantes e até complexos. Mas, aqueles que escrevem ALGO querem mais, desejam mais, precisam dizer algo, um algo-a-mais. Bom, no meu caso foi assim. Eu tinha uma necessidade, um desejo imenso em escrever e principalmente dar sentido a essa escrita, dar sentido onde este havia se perdido:  ELIS.

Precisei começar o texto assim para chegar aqui. Onde voce deseja? Onde voce se questiona? Onde suas certezas vacilam? Des-cubra e se delicie com a inquietude de uma escrita maior. A escrita do seu desejo.

Um abraço.

Angelo Gustavo Venâncio de lima